domingo, 27 de dezembro de 2015

Ser bom basta?

Ser bom basta? Não basta, não é o suficiente para que nada de ruim lhe aconteça, não é o suficiente para que nenhuma pessoa te deseje ou lhe faça o mal. Não é suficiente para que você nunca chore, nunca perca ou nunca se decepcione. Eu tive câncer. No geral, eu era uma ótima pessoa. Sempre amei e respeitei minha família, fazia trabalhos voluntários, sempre fui estudiosa, nunca fui invejosa, era leal e fiel aos amigos e namorado, sempre soube perdoar, sempre fui uma boa pessoa. E eu tive câncer. Dizem que o bonzinho da história sempre se fode, mas muitas vezes ele não percebe que cobra em dobro todo amor, carinho e amizade que dá. Ele não nota que exige coisas das pessoas que elas não estão preparadas para fazer. Ele quase nunca sabe, mas escolhe amores totalmente suicidas e depois afirma: o bonzinho sempre se fode. Depois do câncer tentei ser ainda mais "boazinha", compreensiva, serena, busquei ainda mais a paz.Entendi que tinha muito ainda que melhorar. E isso não me poupou de dores, de doenças, de maldades. Pode nem mesmo me poupar de um novo câncer. Porque no meio da minha bondade ainda pode haver algo que não perceba. Na minha vida pode haver novos aprendizados que nunca suspeitei. E se for preciso, terei que repetir a lição. Mesmo assim, mesmo que eu nem sempre receba gratidão, mesmo que nem sempre seja compreendida, mesmo que muitas vezes me sinta injustiçada eu sigo na bondade. Porque ser bom não basta, mas é um belo começo.